Instalando Virtual Box no Debian 8

Virtualizador Virtual Box
Virtualizador Virtual Box

Neste post vamos instalar o Virtual Box no Debian 8 pelo repositório. Primeiro vamos adicionar um repositório separado para o virtual box.

Criando o repositório virtualbox.list:

# vim /etc/apt/sources.list.d/virtualbox.list

Adicione a seguinte linha:

deb http://download.virtualbox.org/virtualbox/debian wheezy contrib

Agora precisamos executar o comando para baixar a chave do repositório e instalar:

# wget -v http://download.virtualbox.org/virtualbox/debian/oracle_vbox.asc -O- | apt-key add -

Agora vamos atualizar:

# apt-get update

Agora vamos de fato instalar o Virtual Box, utilizando o seguinte comando:

# apt-get install virtualbox-4.3

Nesse post, foi escolhido a versão 4.3 como exemplo.

O próximo passo é adicionar o seu usuario para o grupo do Virtual Box:

Utilizando os seguintes comandos:

# gpasswd -a usuário vboxusers
# usermod -a -G vboxusers usuário

Com estes passos já concluídos com sucesso, o Virtual Box estará instalado. Podemos utilizar mais um comando para baixar a extensão de suporte USB para o Virtual Box. Basta utilizar o seguinte comando:

# wget http://download.virtualbox.org/virtualbox/4.3.26/Oracle_VM_VirtualBox_Extension_Pack-4.3.26-98988.vbox-extpack

Depois de ter realizado o download com sucesso execute o seguinte comando para instalar a extensão.

# VBoxManage extpack install Oracle_VM_VirtualBox_Extension_Pack-4.3.0-89960.vbox-extpack

Se nenhum erro ocorrer no processo ja estará em seus aplicativos o ícone do Virtual Box. Faça bom proveito 🙂

Removendo Varios Arquivos Linux (ARGUMENT LIST TOO LONG)

Quando se tem varios arquivos indesejáveis ou que so estão tomando espaço em alguma pasta do seu Linux e se decide apaga-los não adianta usar o comando rm ja conhecido, pois ele apresentara um erro mais ou menos mostrando isso: ARGUMENT LIST TOO LONG.

Como remover então estes arquivos? eis o X da questão. Precisamos utilizar alternativas para este comando. No caso aqui utilizaremos o comando for, um comando de repetição. Sua clausula consiste em:

for "iteração" in "lista"; do 
  bloco de código/ comando...
done

Vamos utilizar uma forma mais enxuta junto com o nosso comando rm. Ficando desta maneira:

$ for g in *.log; do rm $g; done

No caso deste código acima excluímos todos arquivos que termina com a extensão  .log. Lembre de ter permissão para excluir estes arquivos.

No código acima ele vai te perguntar se deseja excluir de arquivo em arquivo, mais podemos adicionar uma opção interessante neste comando, o -f.

$ for g in *.log; do rm  -f $g; done

Neste caso ele apaga sem pedir confirmação.

SSH Server Linux

Para se conseguir acessar via terminal um computador ou servidor em LINUX, devemos primeiro instalar o SSH na maquina que queremos acessar.

Primeiramente devemos utilizar o comando apt-get update:

# apt-get update

ou

# yum update

Depois de terminado este processo utilizaremos o seguinte comando para instalar o SSH:

# apt-get install openssh-server

ou

# yum install openssh-server

Depois de instalado devemos iniciar o serviço, com o seguinte comando:

# /etc/init.d/ssh start

ou

# service sshd start

Caso esteja instalando o SSH no centOS deveremos utilizar este outro comando também, para que o serviço possa iniciar junto ao sistema:

# chkconfig sshd on

Configurar IP fixo e DNS no CentOS 6.x

Neste post vou mostrar como configurar um IP fixo e o DNS no CentOS.

Primeiro passo é descobrir o nome da placa de rede, utilizando o seguinte comando:

# ifconfig -a

Depois de identificado o nome placa de rede vamos agora configurar o IP valido. Primeiro vamos abrir o arquivo com o seguinte comando:

# vim /etc/sysconfig/network-scripts/ifcfg-eth0

No meu caso o nome da placa e eth0

Agora alterando o arquivo para:

DEVICE=eth0
TYPE=Ethernet
IPADDR=192.168.1.198
NETMASK=255.255.255.0
GATEWAY=192.168.1.1
ONBOOT=yes

depois salve o arquivo e saia do mesmo ( :wq ).

Feito isto reinicie o serviço network:

# service network restart

Ou:

# /etc/init.d/network restart

Agora vamos verificar o IP:

# ifconfig -a

Agora vamos configurar o DNS para que possamos acessar sites pelo domínio. Para isso basta modificar o arquivo colocando as seguintes linhas:

#vi /etc/resolv.conf

coloque as seguintes linhas:

nameserver 8.8.8.8
nameserver 8.8.4.4

Salve o arquivo ( :wq ), e reinicie o serviço network

# service network restart

Ou:

# /etc/init.d/network restart

Comando RM do UNIX/LINUX

Linux_Logo

O comando rm é utilizado para apagar arquivos ou diretórios. Este comando contem algumas opções para complementar seu uso, os mais importantes são:

 

 

  • -f : apaga sem pedir confirmação.
  • -i : apaga após pedir confirmação.
  • -r : apaga arquivos e subdiretórios.
  • -v : lista arquivos deletados.

Alguns exemplos de uso são apresentados logo abaixo:

Apagar  diretório vendor/ e todo seu conteúdo  :

rm  -rf vendor

autoload.php :

rm autoload.php

Pode se usar alguns curingas para realizar a operação, como o: ?, * e [ ] , alguns exemplos logo abaixo:

rm class.*.php
 
rm class*
 
rm class?.php
 
rm Financeiro.[1-2].php

Gerenciando dependências com o Composer

Gerenciador de Composer
Gerenciador de Dependência

Neste post não vou abordar o que é o Composer, mais sim como instalar e utilizar ele no seu projeto para gerenciar suas dependências.

Primeiro passo é instalar o Composer, existe algumas formas de instalar o mesmo, qualquer dúvida só acessar o site do projeto aqui.

 

NO LINUX

No meu caso utilizei o comando abaixo para instalar o Composer:

1
php -r "readfile('https://getcomposer.org/installer');" | php

Será realizado o download do arquivo composer.phar.

1
2
3
4
5
All settings correct for using Composer
Downloading...
 
Composer successfully installed to: ./composer.phar
Use it: php composer.phar

No meu caso eu instalei ele para que eu pudesse utiliza-lo em qualquer projeto, numa forma global. Para isso utilizei esse comando (Para plataforma UNIX):

1
# sudo mv composer.phar /usr/local/bin/composer

Pronto o composer agora está instalado.

NO OS X

Para instalar no OS X é mais simples, basta fazer o download do Composer :

1
curl -sS https://getcomposer.org/installer | php

depois de realizado o download, mova o arquivo para a pasta /usr/bin com o seguinte comando:

1
sudo mv composer.phar /usr/bin/

No meu caso gosto de deixar no modo universal, para poder trabalhar com o composer em qualquer projeto, para isto basta criar um alias, utilizando o VIM para acessar o arquivo e inserir uma linha.
Para acessar o arquivo digite o seguinte comando:

1
vim ~/.bash_profile

Depois acrescente a seguinte linha:

1
alias composer="php /usr/bin/composer.phar"

Pronto agora o composer está  instalado.

Caso o procedimento acima não funcionar utilize este comando:

1
curl -sS https://getcomposer.org/installer | sudo php -- --install-dir=/usr/local/bin --filename=composer

Este último comando realiza todo o processo dito anteriormente.

UTILIZANDO

Para utiliza-lo basta criar um arquivo composer.json no seu projeto contendo quais dependências você deseja utilizar, no nosso exemplo utilizei o silex e o doctrine :

1
2
3
4
5
6
7
{
    "require": {
        "silex/silex": "1.0.*",
        "doctrine/dbal": "2.2.*"
    },
    "minimum-stability": "dev"
}

Para baixar as dependencias acesse pelo terminal a pasta de seu projeto e execute o seguinte comando:

1
composer install

Pronto agora basta esperar terminar de baixar os pacotes e utiliza-los.